Vanessa e eu terminamos

Pessoal, eu e a Vanessa chegamos a um acordo. Nós infelizmente não nos amamos mais, o relacionamento esfriou, as personalidades já diferiam demasiadamente, os olhares já não mais se encontravam. Terminamos, e vocês como nossos amigos, que participaram da nossa vida juntos até agora têm direito de saber os motivos que nos levaram para tal direção.

Chocados? Pois é, eu também, é incrível como ficamos chocados, horrorizados, surpresos, quando duas pessoas das quais gostamos, convivemos ou simplesmente conhecemos de vista terminam um relacionamento. Obviamente Vanessa e eu estamos “Muito Bem, Obrigado”, e o primeiro parágrafo é somente um teste para causar em vocês uma reação de choque.

Esta semana não foi uma semana feliz, um relacionamento de longa duração, muito próximo de nós se desfez, assim como areia no vento, acabou. Desde então uma pergunta insiste em martelar minha cabeça contra a mesa:


POR QUÊ OS RELACIONAMENTOS TERMINAM?

É sábado, você está no trânsito. A impressão que você tem é que os sinais esperam você chegar para ficarem vermelhos, você anda, pára, anda, pára, anda, pára, olha, e então vê de relance. Outro carro, vidros abertos e dentro uma mulher. Bonita e atraente o suficiente, sem exageros. Você sabe que ela não é uma Angelina Jolie, mas isso faz com que você fique ainda mais curioso. Ao que você menos espera ela olha, você finge que vai trocar a faixa do CD, mas o rádio nem está ligado. Você liga. Dois segundos depois você não resiste e olha. Ela finge trocar a faixa do CD mas o rádio também não está ligado. Você sorri e o sinal abre. Você esquece dela, dos sinais vermelhos, do rádio e simplesmente chega ao seu destino. Ao descer do carro no estacionamento você abre a porta com cuidado para não riscar o carro ao lado, rapidamente você percebe que se levantou em sincronia com outra pessoa . Você não tem dúvidas, é ela. Ela te vê e não tem dúvidas, é você. Mais um sorriso. Pronto, fim da história, não há mais trabalho a ser feito, a semente foi plantada, uma conversa e um café depois e vocês se vêem completamente apaixonados.

Como algo tão forte, tão conectado, tão maravilhosamente imperfeito pode se transformar em areia contra o vento alguns anos depois? Em que ponto deixamos de ser cegos e passamos a enxergar os defeitos da outra pessoa? Em qual semana o filme de sábado a noite no sofá parou de ser tão incrivelmente aconchegante?

Um excelente líder ministerial e conselheiro de jovens, uma vez me disse: “Existem 3 causas principais para o fim de um relacionamento, a primeira é a incompatibilidade de gênios, a segunda é vida financeira instável e por fim, sexo”. Nenhum relacionamento sobrevive se as personalidades envolvidas não se encaixarem. O gênio do homem aponta para o Sul e o da mulher para o Norte, a distância vai aos poucos aumentando e quando você menos espera já não partilham das mesmas emoções, dos mesmos gostos, dos mesmos sonhos. Mas cuidado, você gostar de filmes de terror e sua namorada de romance não significa que estarão fadados a entrar nessa estatística. Todos devemos ter diferenças nos nossos relacionamentos. Imagine se todos usassem roupas roxas, dirigissem Ford Ka’s roxos, e ouvissem Axé? iria ser um tal de: “foge, foge mulher maravilha, foge, foge com superman” o dia inteiro por aí. Já os problemas financeiros normalmente atingem pessoas casadas que ainda não conseguiram construir nada juntos. A falta de sucesso profissional frustra os dois lados da relação, um culpa o outro pelo fracasso e com isso o clima de uma vida próspera juntos se transforma numa fumaça tímida perto da chama que era quando eles se conheceram. A terceira causa, porém não menos importante, é o sexo. O ato sexual conecta o casal (tanto no sentido figurado quanto literal é claro), é a realização do amor que existe entre os dois, o ato principal, a grande apresentação, a recompensa pela comida horrível da sua sogra. Uma vez que o sexo não existe, parabéns, você acabou de se casar com a sua irmã. Vocês riem, se divertem, choram, brigam, se reconciliam, nada que você não faria com aquele seu amigo encalhado que mora com a mãe.

Existem 3 palavras que podem o ajudar a entender o seu relacionamento:

Perspectiva: Como eu vejo a mim mesmo? Com eu vejo a minha parceira(o), como ela(e) me vê? Nossa perspectiva determina até onde nossos relacionamentos chegarão.

Processo: Eu consigo compreender os estágios de um relacionamento? Percebo que há certas etapas de um relacionamento mais cruciais do que outras?

Problemas: Quando eu enfrento dificuldades no meu relacionamento, como lido com elas?

Se você se ver de maneira negativa, é muito provável que você veja o outro de maneira também negativa. Quando você passa a se valorizar, passa a enxergar o outro com clareza. É comum transferirmos para o nosso parceiro(a) nossa raiva ou frustração. Quantas vezes você já se pegou gritando com a outra pessoa: “É você que está nervosa e azeda! E não eu! Arghhh!”

Num relacionamento tudo gira em torno da comunicação. Quando ainda existe comunicação a chama se mantém acesa, ela se apaga quando paramos de conversar:

 – Querido, o encanador veio resolver aquele problema hoje!
 – Aham, me traz uma cerveja?
 – Querido, hoje você pagou o que devíamos para o encanador?
 – Vai até a cozinha e me traz uma cerveja! E faz silêncio porque o Neymar vai cobrar o pênalty.
  – Querido, estou deixando você para ir morar com o encanador.
 – Será que dá pra você pegar minha cerveja?! Mas que droga! Ninguém me escuta nessa casa!

Todo casamento possui um clico de vida, este clico é composto pelas seguintes etapas:

Etapa 1 – Lua de Mel: Ela é linda, você acabou de conhece-la, ela é linda, a personalidade dela bate totalmente com a sua! Ela é linda, a mãe dela é um doce! Ela é Linda! Ela é uma borboleta para os seus amigos e uma leoa na cama para você! E ainda por cima, meu, ela é LINDA!

Etapa 2 – Irritação específica: Ela é Linda, só tem um defeito, ela arrota sem querer na frente dos seus amigos, mas tudo bem, ela continua sendo linda.

Etapa 3 – Desconforto geral: Seu casamento está meia-boca, a mulher que trabalha do seu lado é LINDA! Você não tem assunto com a sua esposa, ver filmes com ela é uma chatice, a mãe dela é uma cobra! Vocês discutem toda noite e você pensa: “até quando eu vou aguentar?” – Essa é a fase onde pode residir a última chance para você salvar seu casamento.

Etapa 4 – Exaustão: Vocês não discutem mais. Vocês se cumprimentam cordialmente pela manhã e à noite e você já não tem mais forças para lutar. O fim está próximo.

Etapa 5 – Separação: Acabou, vocês se comunicam por meio dos seus advogados sangue-sugas ou seus filhos.

É claro que os relacionamentos não precisam passar por todas as fases, milhões de casamentos são restaurados na fase do desconforto geral. Pare agora, olhe para você mesmo… você se encaixa em algum dos perfis abaixo?

Marido Tanque de Guerra: Você passa por cima de tudo e de todos? Não pergunta o que sua esposa pensa? Parabéns, você é o marido tanque de guerra. Magoa todo mundo, e pior, ninguém consegue nem mesmo magoar você, pois a blindagem do seu tanque é forte o suficiente para ninguém penetrar. E não é verdade? Ô seu general, sua esposa não é obrigada a vestir aquele vestido roxo ridículo só porque você quer não! Além do mais você nunca fica triste, nunca se coloca no lugar dela, pois obviamente ela está com frescura, você nem machucou ela tanto assim com aquele soco na boca voltando do shopping mesmo.

Mulher Mundo da lua: Talvez você viva no mundo da lua, você não presta a atenção em nada que seu marido faz, o que ele gosta ou odeia. Ele só quer um pouquinho de respeito, não aja como se ele fosse um Zé Ninguém. Todos os dias você pressiona o “Piloto Automático”, dá o play no “Deixa vida me levar” e seja o que Deus quiser! Hey! Lucas Silva e Silva aqui não é o mundo da lua não querida! Que tal dar uma acordada ô senhora “Fantástico mundo de Bobby” ?!

Mulher Vulcão: Verdade seja dita, é DESCONFORTÁVEL ficar perto de você! A gente nunca sabe o que você está pensando! Numa hora você está um doce, na outra hora você vira um espinho com veneno na ponta! Como é que você quer que tenhamos paciência com você? Você precisa ser mais constante, íntegra, sua personalidade não pode ser igual a gráfico da bolsa de valores em época de crise, sobe, desce, sobe, desce. Ninguém te aguenta sua louca!

Além desses, existem inúmeros outros tipos. Será que você é o Marido Melindroso? Ou a Mulher Estraga-prazer? Talvez você seja o Mister Desculpite!

Brincadeiras a parte, acabei de chegar até a resposta para minha pergunta, motivos para acabar com um relacionamento são iguais a sapato feminino em promoção na Passarela, fica até caindo pra fora da prateleira de tanto que tem. É mais fácil perguntar, Por que os relacionamentos se mantém vivos?

Um relacionamento deve manter-se baseado em sólidas estruturas, a menor coluna solta pode causar um colapso total. Deixe com que Deus seja a coluna que mantém seu casamento de pé.

De todas as besteiras e verdades escritas aqui até agora podemos apontar uma como fato: tanto sendo homem quanto sendo mulher todos temos parcela de culpa quando um relacionamento está prestes a terminar. O que irá fazer a diferença é se conseguiremos pagar essa parcela pendente a tempo, em quanto tempo deixamos ela atrasar e quanto de juros iremos pagar.

O amor verdadeiro é eterno como dizem? Se eu fiquei com uma pessoa por 10 anos e me separei, significa que durante esses 10 anos não a amei verdadeiramente?

O que você acha?


Quer conhecer mais sobre o autor e acompanhar novos posts?

Anúncios

Uma resposta para “Vanessa e eu terminamos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s